Topo
pesquisar

Exercícios sobre a formação do povo brasileiro

Exercícios de História do Brasil

Nestes exercícios sobre a formação do povo brasileiro, você pode testar seus conhecimentos a respeito da importância desse tema para a História do Brasil. Publicado por: Cláudio Fernandes
questão 1

(Fuvest) “A sociedade colonial brasileira "herdou concepções clássicas e medievais de organização e hierarquia, mas acrescentou-lhe sistemas de graduação que se originaram da diferenciação das ocupações, raça, cor e condição social. (...) As distinções essenciais entre fidalgos e plebeus tenderam a nivelar-se, pois o mar de indígenas que cercava os colonizadores portugueses tornava todo europeu, de fato, um gentil-homem em potencial. A disponibilidade de índios como escravos ou trabalhadores possibilitava aos imigrantes concretizar seus sonhos de nobreza. (...) Com índios, podia desfrutar de uma vida verdadeiramente nobre. O gentio transformou-se em um substituto do campesinato, um novo estado, que permitiu uma reorganização de categorias tradicionais. Contudo, o fato de serem aborígenes e, mais tarde, os africanos, diferentes étnica, religiosa e fenotipicamente dos europeus, criou oportunidades para novas distinções e hierarquias baseadas na cultura e na cor." (Stuart B. Schwartz, SEGREDOS INTERNOS).

A partir do texto, pode-se concluir que:

a) a diferenciação clássica e medieval entre clero, nobreza e campesinato, existente na Europa, foi transferida para o Brasil por intermédio de Portugal e constituiu-se no elemento fundamental da sociedade brasileira colonial.

b) a presença de índios e negros na sociedade brasileira levou ao surgimento de instituições como a escravidão, completamente desconhecida da sociedade europeia nos séculos XV e XVI.

c) os índios do Brasil, por serem em pequena quantidade e terem sido facilmente dominados, não tiveram nenhum tipo de influência sobre a constituição da sociedade colonial.

d) a diferenciação de raças, culturas e condição social entre brancos e índios, brancos e negros, tendeu a diluir a distinção clássica e medieval entre fidalgos e plebeus europeus na sociedade colonial.

e) a existência de uma realidade diferente no Brasil, como a escravidão em larga escala de negros, não alterou em nenhum aspecto as concepções medievais dos portugueses durante os séculos XVI e XVII.

questão 2

(Uff) "As festas e as procissões religiosas contavam entre os grandes divertimentos da população, o que se harmoniza perfeitamente com o extremo apreço pelo aspecto externo do culto e da religião que, entre nós, sempre se manifestou (...). O que está sendo festejado é antes o êxito da empresa aurífera, do que o Santíssimo Sacramento. A festa tem uma enorme virtude congraçadora, orientando a sociedade para o evento e fazendo esquecer da sua faina cotidiana.(...). A festa seria como o rito, um momento especial construído pela sociedade, situação surgida "sob a égide e o controle do sistema social" e por ele programada. A mensagem social de riqueza e opulência para todos ganharia, com a festa, enorme clareza e força. Mas a mensagem viria como cifrada: o barroco se utiliza da ilusão e do paradoxo, e assim o luxo era ostentação pura, o fausto era falso, a riqueza começava a ser pobreza, o apogeu decadência" (Adaptado de SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do Ouro. Rio de Janeiro, Graal, 1990, pp. 20-23)

Segundo a autora do texto, a sociedade nascida da atividade mineradora, no Brasil do século XVIII, teria sido marcada por um "fausto falso" porque:

a) a mineração, por ter atraído um enorme contingente populacional para a região das Gerais, provocou uma crise constante de subalimentação, que dizimava somente os escravos, a mão de obra central desta atividade, o que era compensado pela realização constante de festas;

b) o conjunto das atividades de extração aurífera e de diamantes era volátil, dando àquela sociedade uma aparência opulenta, porém tão fugaz quanto a exploração das jazidas que rapidamente se esgotavam;

c) existia um profundo contraste entre os que monopolizavam a grande exploração de ouro e diamantes e a grande maioria da população livre, que vivia em estado de penúria total, enfrentando, inclusive, a fome, devido à alta concentração populacional na região;

d) a riqueza era a tônica dessa sociedade, sendo distribuída por todos os que nela trabalhavam, livres e escravos, o que tinha como contrapartida a promoção de luxuosas cerimônias religiosas, ainda que fosse falso o poderio da Igreja nesta região;

e) a luxuosa arquitetura barroca era uma forma de convencer a todos aqueles que buscavam viver da exploração das jazidas que o enriquecimento era fácil e a ascensão social aberta a todas as camadas daquela sociedade.

questão 3

Leia o texto a seguir: “O homem cordial pode ser visto como um tipo ideal weberiano: ele seria o precipitado de uma formação social caracterizada pela onipresença da esfera privada, logo, pelo primado das relações pessoais. Ora, a cordialidade não deve ser compreendida como uma característica essencialmente brasileira, mas antes como um traço estrutural de sociedades cujo espaço público enfrenta dificuldades para afirmar sua autonomia em relação à esfera privada. O conceito de cordialidade é um importante instrumento analítico para o estudo de grupos sociais dotados de elevado grau de autocentramento, portanto, em alguma medida, resistentes a pressões externas.” (Rocha, João Cezar de Castro. Brasil nenhum existe. Folha de São Paulo, Domingo, 09 de janeiro de 2000).

O texto acima propõe uma revisão da tese do “homem cordial”, desenvolvida pelo seguinte intelectual brasileiro:

a) João Ubaldo Ribeiro

b) Machado de Assis

c) Ribeiro Couto

d) Afonso Arinos de Melo Franco

e) Sérgio Buarque de Holanda

questão 4

O antropólogo pernambucano Gilberto Freyre concebeu, em duas obras capitais, um plano de interpretação do Brasil a partir do tema da formação da sociedade patriarcal na época colonial. As duas obras referidas foram publicadas na década de 1930 – a primeira em 1933 e a segunda em 1936. São elas:

a) Casa Grande & Senzala e Viva o Povo Brasileiro

b) Casa Grande & Senzala e Sobrados & Mucambos

c) Raízes do Brasil e Formação do Brasil Contemporâneo

d) Retrato do Brasil e O Brasil na História

e) Casa Grande & Senzala e Raízes do Brasil

respostas
Questão 1

Letra D

A questão da formação do Brasil e do brasileiro (ou povo brasileiro) tem como um dos pontos fundamentais a miscigenação das três principais raças ou culturas que compuseram nossa diversidade cultural. Essa questão sobrepôs-se à caracterização que se dava ao Brasil nos séculos iniciais de sua formação, sobretudo a partir da distinção medieval. Sendo assim, a alternativa D está correta.

Voltar a questão
Questão 2

A questão das diferenças e desigualdades sociais figura entre os principais problemas abordados pelos intelectuais que trataram de pensar a formação do Brasil. A situação social da Província de Minas Gerais, estudada por Laura de Mello e Souza – autora do texto citado na questão –, está entre os grandes temas referentes ao problema da desigualdade ao longo da História do Brasil. Sendo assim, a letra C está correta.

Voltar a questão
Questão 3

Apesar de a ideia do “homem cordial” ter sido intuída por Ribeiro Couto, quem a desenvolveu sistematicamente foi o historiador paulista Sérgio Buarque de Holanda, em sua obra “Raízes do Brasil”, publicada em 1936. Dessa forma, a alternativa correta é a letra E.

Voltar a questão
Questão 4

A duas obras capitais de Gilberto Freyre são Casa Grande & Senzala e Sobrados & Mucambos. Ambas apresentam um quadro de análise da formação da sociedade patriarcal brasileira. As outras obras mencionadas nas alternativas também são exemplos de trabalhos que pensaram o Brasil, porém são de outros autores, como Sérgio Buarque de Holanda, Paulo Padro e Caio Prado Jr. Dessa forma, a alternativa B está correta.

Voltar a questão
Leia o artigo relacionado a este exercício e esclareça suas dúvidas
artigo
relacionado
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Exercícios Brasil Escola